O futuro dos treinamentos

Em tempos de pandemia, o que podemos pensar sobre o futuro dos treinamentos?

Por Vivian de Albuquerque

Todos os dias troco figurinhas com colegas da área de treinamento. Estamos todos nos adaptando à nova realidade, aprendendo a usar melhor a internet para comunicar as ideias, se reinventando mesmo.

Ontem participei de uma live com mais de 20 mil pessoas assistindo. Número impressionante, mas que tem muito a ver com a nova forma de se posicionar no mercado. Primeiro há um evento gratuito e amplamente divulgado nas mídias sociais. As pessoas se inscrevem, se envolvem, participam… e aí vem a oferta de uma sequência – paga, é claro – e nem sempre tão barata.

Não estou dizendo que isso esteja errado. São formas de tentar colocar o produto nestes novos tempos em que vivemos. E tem funcionado. Eu mesma já investi em uns 3 ou 4 cursos, que começaram exatamente desta forma. E o melhor, gostei muito de uns dois deles.

Mas a pergunta que sempre me fazem, nas lives, nas conversas virtuais informais é… será que vamos voltar à uma sala de treinamento? Eu acredito que sim, mas de uma forma diferente. As ações serão mais bem pensadas, nada será contratado por impulso, e os treinadores e facilitadores terão de saber como oferecer um mix entre online e presencial.

Para o treinador, preparar o online geralmente leva até mais tempo do que preparar o presencial. Demanda produção de materiais, comunicações, aprender a usar as novas ferramentas tecnológicas e isso tudo leva tempo e tempo é dinheiro. Para o cliente, acredito que tenha ficado interessante. Consegue reunir colaboradores de diferentes áreas e até cidades, ou mesmo países, em um mesmo treinamento. Também não precisa investir em coffee break, hospedagem, passagens.

Mas uma coisa ainda não funciona totalmente no online, por mais que as duas partes – treinadores e participantes se envolvam realmente. Falta contato. Contato visual, toque mesmo – que acontece em alguns tipos de dinâmicas, falta interação de verdade.

O online permite interações, claro. Mas nada como estar perto de outras pessoas.

Assim, no que acredito para a nova realidade dos treinamentos, haverá espaço para um e para outro. Uma conciliação entre a praticidade e a versatilidade do online, e a magia do presencial – que é realmente incomparável.