Porque engajar participantes num treinamento online é possível

Por Vivian de Albuquerque

Sou fã assumida de treinamentos presenciais. Confesso que no início até resisti às mudanças. Acreditava que logo a vida voltaria ao normal. Acontece que a pandemia já está aí desde março e poucas mudanças, além do aumento do número de mortos, aconteceram. Estamos, na maioria em home office. Quem não pode está na rua, mas repleto de cuidados e evitando contato. E os treinamentos? Um ou outro presencial, com menos gente. Ou então gravados e transmitidos, quando não totalmente virtuais.

Ritmo – Vejo meus filhos tendo aulas transmitidas ao vivo e acompanho o rendimento. Quando tem algum jogo, dinâmica… o ritmo se mantém. Se é parecido com o tradicional da sala de aula, a atenção é dividida com o celular ou qualquer outra coisa mais interessante, que pode ser inclusive o gato passeando pela sala.

Incompetência dos professores? Não, mas despreparo, falta de habilidade, porque a mudança que parecia futura caiu sobre nossas cabeças e simplesmente tivemos que colocar a mão na massa e tentar aprender o mais rápido possível.

Adultos – E os adultos não são diferentes. Também estão em salas de aula e treinamento virtuais. E igualmente se distraem com coisas mais interessantes ou com os próprios pensamentos quando, do outro lado da tela, o que é apresentado não engaja.

Mas tudo isso tem uma solução. Dá sim para engajar quem está do outro lado, desde que você esteja disposto a experimentar algo diferente. Um dos exemplos é o trabalho com as metodologias ativas. Sucesso nas salas presenciais, elas podem perfeitamente ser aplicadas no on-line. Kahoot, Socrative, Mentímeter, Quizziz, são apenas algumas das ferramentas – com versões gratuitas e pagas – que podem ser experimentadas. Mas ainda tem o Think, Pair & Share; o PBL – Problema Based Learning… E dá para ir além.

Lego, cartas e dados – Gosto muito do Lego como ferramenta de aprendizado. Também de dados e cartas. E mesmo à distância tenho conseguido explorá-los. Basta pensar um pouco fora da caixa. O que, com certeza, não “pega” mais são os slides repletos de texto, vídeos com tempo infindável e, mais ainda, falta de energia de quem está aplicando o treinamento, curso ou aula.  Desafie-se! Experimente!  E veja qual o quórum do início e do fim do encontro virtual. A vitória acontece quando algum dos participantes comenta: “Nossa, nem vi essas três horas passarem.”